Planear ou não planear?

Autor: Ricardo R. Vieira

Planear ou não planear? Eis a questão!

 

Sempre que cria um plano de negócios, um plano para férias, a aquisição de bens materiais, como uma casa ou um carro ou até mesmo, quando planeia o que vai jantar hoje, está a estruturar pensamentos, a analisar a realidade e a criar movimentos para realizar aquilo que deseja conscientemente.

No entanto, nem sempre utilizamos ativamente esta poderosa ferramenta mental para o nosso desenvolvimento pessoal. São muitos os casos que não priorizamos o planeamento para termos comportamentos mais refinados, sermos melhores cidadãos ou para ganharmos mais consciência e sabedoria sobre nós próprios e sobre o mundo.

Provavelmente o nosso maior desafio atual prende-se com o facto de construir uma vida feliz, harmoniosa e sustentável. Ou seja, uma vida, que por um lado, responda às nossas necessidades individuais e coletivas, num mundo dinâmico e em constante mutação. E, que por outro lado, respeite tudo aquilo que está à nossa volta, incluindo o nosso planeta e os outros seres vivos.

Como podemos então construir rotinas que proporcionem felicidade, bem-estar e realização pessoal, com este desafio paralelo de garantir uma sustentabilidade holística? Mais, construir rotinas que não sejam focadas apenas no prazer imediato, mas sim, numa visão de qualidade de vida e prosperidade no médio-longo prazo?

 

Numa palavra: planeando!

 

Quando decidimos planear, o primeiro exercício é compreender o que é o planeamento.

Planear, literalmente, significa:

– um processo de implementação de estratégia

– criar movimentos para atingir metas

– projetar e programar

– definir antecipadamente um conjunto de ações ou intenções

– determinar objetivos e meios para os atingir

 

Mas, planear é muito mais do que isso. Planear é um veículo poderoso que permite, entre outras coisas:

 

1) maximizar a probabilidade de sucesso
sendo a vida uma arena probabilística, planear é aumenta as chances de sucesso e de estar atento ao ambiente, para selecionar as oportunidades circunstâncias. A sorte favorece os audazes, e planear é tornar-se mais audaz;

 

2) maximizar as vantagens e minimizar desvantagens antecipadamente
o processo de planeamento, é um exercício de reflexão, que entre outras coisas, nos capacita em antemão de prever, pressupor e criar hipóteses sobre a realidade. Isso, potencializa escolhas comportamentais que tragam mais benefícios que prejuízos;

 

3) esclarecer o sentido e a direção comportamental
sem direção nenhum vento é favorável. Quando esclarecemos qual a direção e sentido que queremos seguir, conseguimos fazer as escolhas mais assertadas para essa direção. Conseguimos tomar consciência e assumir mais responsabilidade, tanto quando dizemos sim ou não a escolhas que temos que fazer;

 

4) garante um maior estado de alerta para o que é relevante
os nossos sentidos são uma ferramenta ímpar na análise e interpretação da realidade. No entanto, a realidade presente é um mundo repleto de ruído, de poluição e dispersão. Quando planeamos, focamos as nossas antenas para coisas relevantes, filtrando como maior acuidade o restante barulho;

 

5) processo de superação da condição atual
quer seja pela superação de situações adversas em que se encontre ou apenas para avançar para locais mais favoráveis, planear permite que esse caminho seja mais direto e simples;

 

6) estabelece blocos de tempo, dedicado a tarefas específicas
quando planeamos, colocamos deliberadamente aquilo que temos de mais valioso em ações comportamentais: o nosso tempo e energia. Trazemos o poder para nós. A capacidade de gestão de tempo mais eficiente e eficaz;

 

7) e, é um valioso instrumento de medida que quantifica o progresso
o planeamento começa com um processo de observação da condição atual e visa o movimento para uma nova e melhor condição, num ponto B. Isto, permite uma forma de medida quantificável, que traduz o progresso e sucesso efetivo do nosso planeamento.

 

Planear é, por isso, um pré-comportamento, um comportamento em potencial, uma intenção, com um potencial teoricamente ilimitado de realização.

 

No entanto, e como última nota, existem duas caraterísticas que deverão abraçar qualquer planeamento:

 

1) Improviso
Se o planeamento é um lado da moeda, o improviso é a sua outra face. É fácil aceitar a máxima que nenhum plano sobrevive o contacto com a realidade. E que muitas vezes, ter-se-á que recorrer ao improviso para avançar. Mas então, porque planear, mesmo sabendo isso? Mesmo sabendo o quanto pode falhar um planeamento, quando estruturamos um plano, ficamos melhor preparados para os improvisos. Muitas vezes, terá que assumir um mau planeamento e saber que pior do que um erro são dois. Nestas circunstâncias é importante mexer e mudar algo, replanear. Por outro lado, tem que perceber que o excelente é inimigo do bom. E quando planeia é normal faltarem-lhes dados ou conhecimento suficientes para conseguir prever tudo antecipadamente. O mais provável é que irá errar aqui e ali, e terá que usar isso em seu proveito, para aprender. Por isso, quando sentir que um plano está suficientemente bom, avance. Depois o excelente vai se conquistando, algumas vezes com improvisos e outras com novos e melhores planeamentos;

 

2) Ação efetiva
Planear sem uma ação comportamental efetiva, é como correr numa passadeira de ginásio. Cansa-se e não vai a lado nenhum. A ação concreta deverá ser a razão do planeamento. A ação concreta irá fazê-lo passar de pressuposições para factos, de teorias para evidências, de metas teóricas para resultados concretos.

 

Quando planeamos, desenvolvemos a tomada de consciência. A tomada de consciência é a ignição primária do motor da transformação pessoal e social. Além disso, planear facilita enormemente a tomada de decisão, especialmente de decisões complexas e ambíguas.

 

Claro que um bom planeamento recorre a várias ferramentas para que seja produtivo. Acompanhe os nossos posts do Aqui BY Dicas para conhecer ferramentas poderosas de desenvolvimento e transformação pessoal e social.

 

Acreditamos que a inspiração está em cada um de nós. E que cada um de nós é uma potencial inspiração para os demais. A nossa missão é ajudá-lo nessa descoberta.

 

Escola Bring Yourself, a inspiração está em si!

Partilhar artigo:

Quer conhecer mais sobre como planear a sua rotina ideal? Agende já uma sessão experimental gratuita!


Contactos

Bring Yourself Logo Azul

info@bringyourself.pt
+351 966 905 870
Rua das Flores 95, Porto
GPS: 41.143280 | -8.614494